Chape contesta dívida cobrada por Ruschel em processo e diz que ele ganhou notoriedade com tragédia

Publicidade

Mesmo fora do plantel da Chapecoense desde 2020, Alan Ruschel ainda segue ligado ao clube catarinense. O capítulo mais recente da história entre Verdão do Oeste e o lateral-esquerdo é polêmico.

Ao contestar o pagamento de uma dívida cobrada pelo jogador na Justiça, a Chape afirmou que a tragédia aérea, que ocorreu em 29 de novembro de 2016, na Colômbia, foi benéfica a ele.

No documento ao qual o ge teve acesso, a Chapecoense diz que “o acidente deu notoriedade ao reclamante e alavancou os seus ganhos”. Além disso, destacou que a imagem de Ruschel passou a ter notoriedade mundial após a queda.

– Ainda, a fim de se evitar preclusão, cumpre-se gizar que o reclamante não foi vítima de um acidente, pelo contrário, foi um sobrevivente, abençoado pela força divina e dentre aqueles ligados diretamente ao futebol o ÚNICO que continua a desenvolver suas atividades identicamente ao período anterior ao mesmo.

– Efetivamente, o acidente deu notoriedade ao reclamante e alavancou seus ganhos, bastando-se verificar o histórico em sua carteira de trabalho sua imagem valorizou e passou a er notoriedade mundial – complementou o clube.

Alan Ruschel se defende

O lateral-esquerdo se pronunciou sobre o assunto nesta sexta-feira e disse que ficou revoltado com a defesa do clube no processo por danos morais. De acordo com ele, a Justiça foi acionada apenas após a Chapecoense não cumprir com o pagamento dos valores acordados.

– Eu tive acesso a defesa do clube, e eles alegam que eu não sou vítima do acidente e, sim, um sobrevivente. Afirmam que a tragédia me trouxe benefícios. Estão sendo levianos e despreparados na condução de um assunto tão importante. A minha vida precisava continuar, mas isso não tira responsabilidade do clube. Só eu sei os traumas que carrego comigo, o esforço, a luta para voltar a jogar. Hoje tenho oito parafusos nas costas, não quero me vitimizar, mas apenas para deixar essa situação clara. Afirmar que minha vida seguiu normal é um absurdo, não só comigo, mas também com os familiares das vítimas do acidente.

O acidente

O avião que levava a delegação da Chapecoense para a Colômbia caiu na madrugada do dia 29 de novembro de 2016. O time se preparava para o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. Foram 71 vítimas fatais entre jogadores, funcionários, convidados e jornalistas. Dos seis sobreviventes, quatro eram brasileiros: os jogadores Alan Ruschel, Neto e Jakson Follmann, e o jornalista Rafael Henzel.

Fonte: GE

Foto: Márcio Cunha/ACF

Marcado como

Opnião dos Leitores

Você não está autenticado, clique aqui. para acessar o sistema!.


Notícia FM

Ligou, virou Notícia!

Faixa Atual

Título

Artista

Ligou, virou Notícia!

Precisa de ajuda?